Noticianahora.com.br

Abandono no campo; O drama dos agricultores atingidos por quebras de produção no País das supersafras - Por: Henrique Jambiski P. dos Santos

04/06/2018 - [17h:29m] - Artigos      Diminuir Aumentar

Aqui, em se plantando tudo dá. Atribuída a Pero Vaz de Caminha, a máxima de mais de 500 anos continua mais atual do que nunca. A Companhia Nacional de
Abastecimento – CONAB divulgou em abril de 2018 que a produção nacional de grãos deve ser a maior de todos os tempos (recorde, aliás, batido ano após ano),
ultrapassando a barreira de 229,63 milhões de toneladas.

Grande notícia para o País que além de gerar renda e riquezas, reduz o déficit da balança comercial, vez que grande parte da produção é destinada à exportação
e assim resulta em forte causa para ingresso de moeda estrangeira em nossa economia.

Tudo muito bom, tudo muito bem. Se a produção é recorde, então o agronegócio vai bem como nunca, certo? Não necessariamente. Em razão de suas dimensões
imensas, o Brasil é composto por vários climas, relevos, composições geológicas e potenciais pluviométricos diferentes. Assim, é muito mais comum do que
se pensa que haja superprodução aqui (o que dá mídia, propaganda e anúncio aos quatro ventos) enquanto há quebra severa de safra ali.

Aí é que está o problema. No País das supersafras não há esforço algum do Governo para socorrer o produtor que não colheu ou cuja colheita foi insuficiente
para arcar com seus custos de produção. E qual o problema do produtor que não colheu, se no final das contas haverá produção recorde, não é mesmo?

Não, não é mesmo. É o produtor rural o grande responsável pela geração da maior parte da riqueza circulante na maioria dos municípios brasileiros (sobretudo
os de porte médio e pequeno), razão pela qual quando o campo vai bem, a cidade vai bem. Já quando o campo vai mal... Além disso, o sucesso da atividade
rural fixa o homem no campo, reduz o êxodo rural, gera riquezas e assegura ao País segurança alimentar, quiçá um dos mais importantes quesitos para efetiva
soberania da nação.

Outro importante dado da economia campesina não é alardeado pela mídia nem pelo Governo: o endividamento dos produtores rurais com bancos, cooperativas,
fornecedores de insumos, entre outros, chegou em 2018 ao histórico valor de R$ 280 bilhões. Para se ter uma melhor ideia da dimensão do problema basta
ter por parâmetro o Plano Safra atual – maior da história – no valor de R$ 188 bilhões. Ou seja, o endividamento já e maior do que uma vez e
meia o maior Plano Safra de todos os tempos.

O que de fato está acontecendo é que há dois Brasis rurais diferentes: um vai bem, obrigado, e apresentará nova safra recorde; outro, composto por produtores
que tiveram suas produções assoladas por intempéries (falta de chuvas a mais comum) terá que lutar muito para não perder suas terras dadas em garantia
das operações de crédito contraídas para plantar.

O que o produtor precisa saber é que a Legislação de Crédito Rural lhe socorre em momentos agudos. Claro que é muito mais simples quando as quebras são
generalizadas, como nas safras de 2006 e 2007, porque então o Governo Federal trabalha no sentido de editar normas gerais de prorrogação, bastando ao produtor
que demonstre sua intenção de prorrogar para ter seus débitos rolados para as safras futuras, sem prejuízo ou sacrifício de suas garantias.

O problema de safras como esta é justamente o oposto: como os olhos do Governo estão virados para a alardeada supersafra, produtores de regiões atingidas
por falta de chuvas, como no Rio Grande do Sul, ou pelo excesso dela, como na Região Sudeste, estão entregues à própria sorte.

Somem-se aos que tiveram quebra na safra atual aos que já vinham endividados de outras safras (milhares de produtores carregando dívidas desde a época
do nefasto Plano Collor, por exemplo) e se terá um panorama real da situação do campo no Brasil, muito mais complexa e perigosa do que parece.

Sem conseguir pagar seus débitos pelas quebras de safras ocorridas, os produtores estarão sujeitos, primeiro, à perda de crédito. Na sequência, ao arresto
da pouca produção colhida ou execução para tomada da garantia hipotecária. Num nefasto efeito dominó, em breve estará promovida a absurda reforma agrária
ao avesso, através da qual o produtor será arrancado de suas terras para satisfazer um crédito do banco que deveria estar prorrogado em razão das quebras
de produção sofridas.

Não adianta, no País das supersafras, esperar que o Governo faça sua tarefa e proteja a produção atingia pelas intempéries. O socorro do produtor está
em outro Poder da República: o Legislativo. O Brasil possui uma das mais avançadas legislações de crédito rural do mundo e assegura ao produtor em momentos
de crise (ainda que a crise seja local, e não generalizada) o direito de parar suas contas e reprogramá-las para poder pagar com trabalho e não com a perda
de suas terras.

Mas não basta que a Lei proteja a terra, o crédito e os meios de produção do agricultor: há necessidade de se exigir que estes direitos sejam cumpridos,
seja na agência do banco, seja em Brasília, seja nos Tribunais. Se o produtor não conseguiu pagar seus débitos rurais em razão de quebra de safra e mesmo
após tê-lo comprovado o banco se negou a prorrogar seus financiamentos, então não é o produtor que está violando o direito de crédito do banco, mas sim
o banco que está violando o direito de crédito do produtor, o que deve ser resolvido na Justiça.

Sabedor de seus direitos, o homem do campo não será mais vítima, seja do clima, seja da inércia do Governo. Há, para a Lei, lugar para todos no País das
supersafras.

 * Henrique Jambiski Pinto dos Santos é advogado especialista em dívidas rurais e direito bancário. Diretor Jurídico Geral da LYBOR LANDGRAF, Banca Advocatícia
vencedora de vários Prêmios Nacionais na área de Direito para Agricultura.

Mais informações: 44.3027.4500 e no site
www.lybor.com.br.

Fonte: Assessoria

Imprimir Página

Enviar comentário

Comentários Facebook

 

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

ACESSIBILIDADE: Rondônia FM Cidadania

Eventos

  • Abertura da Olímpiada Rio 2016

  • Linha de cosméticos a base de óleos essenciais foi lançada na noite de ontem (1º) em Salvador

  • Ensaio Fotográfico de Renata Borba

  • Reunião do PSC em Porto Velho

  • 1º Encontro Arjore de Comunicação


Este site não se responsabiliza pelo conteúdo de terceiros citados aqui. A opinião dos colaboradores e dos leitores não necessariamente representa a opinião do Notícia na Hora. Os direitos de veiculação de artigos aqui publicados pertencem aos seus respectivos autores e nossos colaboradores.
A divulgação é permitida desde que citados os créditos.