Noticianahora.com.br

Coluna Simpi: Evolução da robótica no treinamento corporativo 

16/05/2018 - [08h:22m] - Economia - Negócios      Diminuir Aumentar

Com diversos cases de sucesso comprovados na indústria automotiva e mecânica de alta precisão, a robótica - ciência da concepção, construção e utilização
de dispositivos artificiais de automação (robôs) – vem evoluindo de forma exponencial, ganhando cada vez mais espaço no nosso dia-a-dia e já sendo aplicada
em diversos outros segmentos, como na medicina, agricultura e biotecnologia, através de dispositivos ou sistemas de informática que são capazes de aprender,
ensinar e, até mesmo, interagir com pessoas. “Hoje, o mercado de trabalho e a elaboração de treinamentos também caminham para uma grande transformação,
com o advento de robôs-instrutores cada vez mais sofisticados e versáteis”, afirma Pierre Jean Quétant, diretor no Brasil da Learning Tribes, empresa multinacional
especializada em treinamento e desenvolvimento de pessoas.

Embora a aplicação dessa tecnologia inovadora favoreça a compreensão mais precisa sobre os meios digitais, potencializada pela aplicação sistemática das
ferramentas de socialização e comunicação, o especialista afirma que não adianta ter a melhor tecnologia à disposição, se o conteúdo da capacitação não
estiver a contento, impedindo que o profissional em treinamento possa aprender e absorver todo o conhecimento que está sendo transmitido. “Para garantir
a efetividade do aprendizado, é preciso que seja traçado o perfil individualizado de cada aluno, criando-se um roteiro que seja devidamente adaptado às
suas experiências, habilidades, preferências, necessidades e motivações, inclusive respeitando-se o ritmo e o momento vivido”, diz ele, complementando
que a inteligência artificial é, justamente, a ferramenta que permite o desenvolvimento desse conteúdo coerente e assertivo. “Hoje, já temos instrutores
virtuais que conseguem analisar as diversas variáveis presentes nos temas de estudo, considerando, inclusive, as preferências individuais e as facilidades
ou dificuldades que cada treinando eventualmente possa ter, tudo isso através da interação simpática por meio de aplicativos, que podem ser baixados em
qualquer smartphone”, finaliza Quétant.

Desenvolvedores de sistemas podem ser enquadrados no MEI

Recentemente aprovada pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado Federal, a Sugestão Legislativa (SUG nº 59/2017) é um
projeto de iniciativa popular, cujo objetivo é o de permitir o enquadramento dos desenvolvedores de sistemas em informática na categoria de Microempreendedor
Individual (MEI). Agora, a proposta irá tramitar na casa como Projeto de Lei (PL), com grande possibilidade de ser acatada ao seu final, o que tiraria
da informalidade jovens empreendedores dessa profissão, cujo teto de remuneração previsto é de R$ 81 mil por ano.

Diminui o nº de novos processos trabalhistas

Com a alteração em mais de 100 dispositivos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), a Reforma Trabalhista surpreendeu positivamente, em relação à redução
expressiva do número de novas causas que ingressam na Justiça do Trabalho. Segundo dados do Tribunal Superior do Trabalho (TST), a média mensal de processos
recebidos pelos tribunais de todo o país, em 1ª instância, caiu em 50% após a entrada em vigor da nova legislação laboral brasileira. “Havíamos previsto
que, no 1º ano, a redução na entrada de novos processos seria de 50% e, em 2 anos, chegaria a 70%. Erramos, pois a previsão de 1 ano veio em apenas 5 meses”,
comemora o advogado e professor Piraci Oliveira, um dos especialistas jurídicos do SIMPI.

Recuperação Judicial: Solução ou problema?        

No momento de crise que o país atravessa tem sido bastante comum as empresas pensarem em recuperação judicial. De forma simplificada vemos a recuperação
judicial como um meio à disposição das empresas para evitar a falência. Prevista na Lei 11.101/2005, trata-se de um meio judicial de empresas em dificuldade
financeira reorganizarem seus negócios. Mas tal procedimento não é para todas as empresas em dificuldades. Devem pensar nesse caminho empresas que tenham
dívidas muito expressivas e que possuam um plano executável que lhes permita recuperar-se a médio prazo.            

Se a sua empresa está em dificuldades, sem fluxo de caixa, sem previsão de gerar faturamento para sustentar a recuperação judicial, não pense nesse caminho,
contrate uma assessoria jurídica para verificar a possibilidade de administrar o seu passivo, pois a última palavra sobre a aprovação ou não da sua proposta
será sempre dos seus credores e caso eles não considerem que você tem um plano executável, não restará opção ao magistrado a não ser decretar a falência
da sua empresa.
 

Fonte: Assessoria

Imprimir Página

Enviar comentário

Comentários Facebook

 

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

ACESSIBILIDADE: Rondônia FM Cidadania

Eventos

  • Abertura da Olímpiada Rio 2016

  • Linha de cosméticos a base de óleos essenciais foi lançada na noite de ontem (1º) em Salvador

  • Ensaio Fotográfico de Renata Borba

  • Reunião do PSC em Porto Velho

  • 1º Encontro Arjore de Comunicação


Este site não se responsabiliza pelo conteúdo de terceiros citados aqui. A opinião dos colaboradores e dos leitores não necessariamente representa a opinião do Notícia na Hora. Os direitos de veiculação de artigos aqui publicados pertencem aos seus respectivos autores e nossos colaboradores.
A divulgação é permitida desde que citados os créditos.