Noticianahora.com.br

Dica de saúde e boa forma - Por: Power Suplementos

03/03/2017 - [08h:53m] - Artigos      Diminuir Aumentar

Suplementação. "AUTOR DO ARTIGO, DESCONHECIDO" 

 

O óxido nítrico é formado a partir da L-arginina exercendo um papel fundamental na regulação da pressão arterial, na inibição da agregação plaquetária

e na gênese da aterosclerose. A maioria dos estudos mostra que os efeitos benéficos da suplementação de L-arginina está diretamente associado a maior biodisponibilidade

do óxido nítrico para as células, melhorando a disfunção endotelial, reduzindo o estresse oxidativo, a dislipidemia e a resistência à insulina.

 

Em ensaios clínicos que utilizaram a suplementação oral de L-arginina, aliada ou não ao exercício físico, na tentativa de promover efeitos benéficos sobre

os sistemas cardiovascular e endócrino-metabólico, em pacientes e em indivíduos saudáveis. A doença cardiovascular (DCV) é considerada a principal causa

de morte em diversos países da europa. Em média a DCV é responsável por cerca de 35% da taxa de mortalidade em países do oeste e 60% do leste europeu1.

ADCV está intimamente ligada às doenças endócrino-metabólicas, como o diabetes mellitus e a aterosclerose. O diabetes mellitus tipo 2 é uma doença que

acomete milhares de pessoas com hábitos de vida inadequados e está estreitamente associado às cardiopatias. O paciente diabético tem alto risco de desenvolver

patologias como hipertensão arterial e infarto do miocárdio. A génese da aterosclerose está relacionada aos altos níveis plasmáticos da molécula de LDL-colesterol,

que sofre oxidação por agentes, como as lipoxigenases, os iões cálcio, as mieloperoxidases e as espécies reativas de oxigênio. Estes agentes oxidantes

estão presentes dentro das camadas das células dos vasos sanguíneos acarretando mudanças morfo-funcionais das células endoteliais e musculares lisas resultando

em obstrução parcial ou total do leito vascular2,3. Fatores de risco como a obesidade, o sedentarismo e a alta ingestão calórica agravam o desenvolvimento

das DCV e das doenças endócrino-metabólicas1,4. Um estilo de vida ativo, dieta adequada associado ao tratamento medicamentoso são as principais abordagens

no controle das DCV e das doenças endócrinometabólicas5. 

 

O papel do exercício físico na prevenção e/ou tratamento das DCV e das doenças endócrino-metabólicas é de fundamental importância. Com relação às cardiopatias,

estes benefícios estão diretamente ligados à maior produção de fatores relaxantes derivados do endotélio, como o óxidonítrico (NO) e/ou sua maior biodisponibilidade

para as células circunjacentes, prevenindo as doenças trombo-embólicas como também a hipertensão arterial6. Com relação às doenças endócrino-metabólicas,

o exercício físico regular promove melhora significativa nos níveis de LDL-colesterol, elevação dos níveis de HDL-colesterol, modula o crescimento celular

da musculatura lisa vascular no processo de aterosclerose, bem como controla os níveis glicêmicos6,7. em pacientes diabéticos, a prática de exercício físico

reduz a hiperglicemia e a produção de espécies reativas de oxigênio pela maior biodisponibilidade de óxidonítrico, bem como aumenta a expressão dos transportadores

de glicose na musculatura esquelética, melhorando de maneira significativa os níveis glicémicos e as complicações advindas do distúrbio do metabolismo

da glicose8. 

 

Outra abordagem dentro da área de nutrição bastante estudada no tratamento das DCV e das doenças endócrino-metabólicas é a suplementação alimentar pelo

uso de vitaminas e aminoácidos. Particularmente, a L-arginina tem sido bastante usada por diversos grupos de investigadores, uma vez que esse aminoácido

é a molécula precursora para a síntese do NO, e como grande parte dos comprometimentos do sistema cardiovascular e endócrino-metabólico está diretamente

ligada à produção de óxido nítrico e/ou sua biodisponibilidade, sua utilização como terapêutica coadjuvante tem sido muito empregada no controle de doenças

como hipertensão arterial, doença arterial coronariana, diabetes mellitus e aterosclerose9. 

 

Estudos demonstram que a suplementação de L-arginina, similar ao exercício físico, pode atuar tanto na prevenção primária como na prevenção secundária

da história natural das DCV e das doenças endócrino-metabólicas. Com relação à prevenção primária, observou-se que mulheres após menopausa e pacientes

idosos apresentaram melhora no comprometimento vascular em decorrência do processo de envelhecimento10-11. Com relação à prevenção secundária, observou-se

que a suplementaçao com L-arginina promovia efeitos benéficos em pacientes com insuficiência cardíaca, doença arterial coronariana, diabetes mellitus tipo

2, pacientes com insuficiência renal ou submetidos a hemodiálise, pacientes com angina ou alterações elétricas no miocárdio, hipertensos, pacientes com

hipercolesteronemia e pacientes com doença arterial periférica12. Esses efeitos benéficos têm sido associados à melhora na função endotelial, com maior

produção dos fatores relaxantes derivados do endotélio. 

 

Considerando a importância do endotélio na etiopatogenia das DCV e das doenças endócrinometabólicas, essa revisão terá como enfoque descrever os mecanismos

moleculares de produção de NO e suas vias de sinalização no controle da função vascular. Abordar-se-á também os principais resultados obtidos em ensaios

clínicos que utilizaram a suplementação oral de L-arginina, aliada ou não ao exercício físico, na tentativa de promover efeitos benéficos sobre os sistemas

cardiovasculare endócrinometabólico em pacientes e em indivíduos saudáveis. 

 

L-Arginina 

 

A L-arginina (ácido 2-amino-5-guanidino-pentanóico) é um aminoácido semi-essencial que tem várias funções metabólicas no organismo de mamíferos, participando

dos processos de transporte e excreção do nitrogênio, síntese de uréia, síntese de proteínas e é o substrato para a síntese de creatina e NO13. As principais

fontes de arginina livre são provenientes da dieta proteica, turnover de proteínas corporais e também pode ser sintetizada pelo organismo. Cerca de 40%

da arginina consumida é metabolizada no intestino antes de atingir a circulação e aproximadamente 85% da arginina circulante é proveniente do turnover

proteico14 . A Tabela 1 apresenta a concentração de arginina em alguns alimentos consumidos pela população mundial15 .      

 

Nos mamíferos, a síntese endógena da arginina ocorre via pirrolina-5-carboxilase e a oxidase prolina, sendo a maioria envolvendo o eixo intestinorins.

Os rins são as maiores fontes de produção de L-arginina, extraindo a citrulina da corrente sanguínea. Uma vez formada, a L-arginina também pode ser metabolizada

pelas enzimas arginases para formar ureia. A L-ornitina produzida pela arginase a partir da L-arginina desempenha um papel importante no ciclo da ureia.

Além disso, a L-arginina pode ser precursora da síntese de creatina, atuando no metabolismo energético muscular esquelético e outros sistemas16 . 

 

A síntese endógena de arginina depende do estado nutricional e do estado de desenvolvimento do indivíduo, mesmo que o turnover protéico seja o maior contribuinte

dofluxo de arginina em animaisadultos e humanos17.Veja Figura 1 para maiores detalhes.      

 

Produção de óxido nítrico a partir da L-Arginina 

 

A principal via de importância biológica da L-arginina é aquela em que atua como substrato da produção de NO, através de uma família de enzimas chamadas

óxido nítrico sintase (NOS). Existem três tipos diferentes de isoformas da NOS, que são nomeadas de acordo com o tipo celular e onde a enzima foi primeiramente

isolada: óxido nítricos intas e neuronal (NNOs ou NOS I), óxido nítrico sintase endotelial (eNOS ou NOS III) e óxido nítrico sintase indutível (iNOS ou

NOS II). A nNOS e a eNOS são expressas constitutivamente, produzindo NO em baixas dosagens, enquanto que a iNOS é induzida por citocinas liberadas das

células inflamatórias em estado patológico18

 

 

As três isoformas da NOS possuem mecanismos enzimáticos similares que envolvem a transferência de eletrões para oxidação do nitrogénio guanidina terminal

da L-arginina. Todas essas enzimas requerem vários cofatores para exercer suas funções, incluindo a tetrahidrobiopterina (BH4), a nicotinamida-adenina-dinucleotídeo

fosfato (NADPH), a flavina adenina dinucleotídeo (FAD) e a flavina mononucleotídeo19.Quando a NOS é inibida em modelos experimentais, usando antagonistas

da L-arginina, há uma redução drástica na formação de NO, levando ao quadro hipertensivo, aumento da adesão e agregação plaquetária e maior oxidação de

moléculas de LDL-colesterol, mostrando que o NO possui papel fundamental nos sistemas cardiovascular e endócrino-metabólico5. A Figura 2 ilustra a síntese

do NO apartir da L-arginina.      

 

Controlo da função vascular e óxido nítrico 

 

A descoberta que o endotélio vascular era capaz de liberar fatores relaxantes na musculatura lisa dos vasos ocorreu nos anos 80 e esses fatores foram denominados

pelos autores como EDRF (fatores relaxantes derivados do endotélio). Posteriormente, este fator foi caracterizado como NO e é considerado hoje como o principal

agente vasodilatador derivado do endotélio20. O NO desempenha importante papel na homeostase do sistema cardiovascular, regulando o tônus vascular, a agregação

plaquetária e modulando a proliferação das células musculares lisas vasculares18 . Estímulos químicos e físicos ativam as NOS para que ocorra a síntese

e liberação de NO pelas células endoteliais. O shearstress, caracterizado pela força exercida pelo sangue na parede dos vasos, é o estímulo físico mais

poderoso para ativar a produção de NO21,22. Os estímulos químicos são substâncias agonistas endógenas ou exógenas que interagem com receptores específicos

presentes nas células do endotélio e levam a formação de inosol trifosfato (iP3), liberando Ca2+ do retículo endoplasmático e formando o complexo cálcio-calmodulina,

que irá ativar a NOS para gerar NO pelo endotélio21. Uma vez liberado, o NO atua sobre a enzima guanilato ciclase solúvel, ligando-se à parte heme(Fe++),

o que resulta no aumento dos níveis de monofosfato de guanosina cíclico (GMPc). Na musculatura lisa vascular, o GMPc medeia o relaxamento dependente do

NO, reduzindo os níveis de Ca2+ intracelular, resultando em vasodilatação (19). A elevação de GMPc ativa a proteína quinase dependente do GMPc (PKG), que

é a enzima responsável pela diminuição da concentração de cálcio intracelular na musculatura lisa dos vasos, reduzindo o tónus vascular. Além disso, a

PKG fosforila os canais de K+ para induzir a hiperpolarização, inibindo a vasoconstrição23. Em plaquetas, o NO promove a formação de GMPc, que de maneira

similar aos mecanismos desencadeados na musculatura lisa vascular, reduzirá as concentrações de Ca2+ dentro das plaquetas, inibindo a adesão e agregação

plaquetária. O NO tem, portanto, importante ação anti-trombótica21 . 

 

Vários estudos demonstraram que a disfunção endotelial está presente em diversas doenças, como a hipertensão arterial, a aterosclerose, a doença arterial

coronariana e o diabetes mellitus, entre outros distúrbios metabólicos e cardiovasculares. A disfunção endotelial pode ocorrer por redução da expressão

de eNOS, acarretando menor produção de NO, ou por sua maior inativação, através da ligação do NO com as espécies reativas de oxigênio, reduzindo sua biodisponibilidade

para as células alvo24,25. Quando a produção/ biodisponibilidade de NO está comprometida, diversas alterações hemodinâmicas e endócrino-metabólicas ocorrem.

A importância morfo-funcional do NO produzido pelo endotélio é demonstrada quando a concentração de N-monometil-L-arginina (L-NmmA), um antagonista da

L-arginina, é aumentada, inibindo a síntese de NO pela competição com a Larginina. O composto L-NmmA promove elevação da pressão sanguínea, aumento da

parede do vaso (hipertrofia/hiperplasia), formação de trombos e placas de ateroma, mostrando a importância dessa simples molécula no controlo dos sistemas

orgânicos26 . 

 

A regulação da enzima eNOS envolve tanto diferentes mecanismos genômicos como não genômicos. A maior ativação da eNOS é feita pelo shear stress (fluxo

sanguíneo) e sua redução é dada por ação de lipoproteínas, angiotensina II e fatores de necrose tumoral, diminuindo a estabilidade de seu RNA mensageiro.

A eNOS é facilmente desregulada pela alteração na disponibilidade de substrato seco-fatores, assim como de inibidores competitivos como a Dimetilarginina

Assimétrica (ADMA)27 . 

 

Principais efeitos da suplementação oral de L-Arginina 

 

Apesar dos níveis intracelulares de L-Arginina serem maiores do que nos fluidos extracelulares ou plasma, a L-arginina extra celular pode ser captada rapidamente

pelas células endoteliais através de transportadores específicos. Assim, a captação de L-arginina bem como sua disponibilidade são fatores limitantes para

a produção de NO, consequentemente regulando seus efeitos no sistema cardiovascular. Baseado nessa relação entre a L-arginina e a produção de NO, diversos

estudos verificaram os efeitos da suplementação ou infusão exógena de L-arginina no sistema cardiovascular e endócrino-metabólico em pacientes com doenças

crónico-degenerativas e indivíduos saudáveis, visando principalmente uma melhora na disfunção endotelial27 . 

 

Os resultados dos estudos existentes na literatura ainda não são unânimes e nem conclusivos sobre os efeitos benéficos da suplementação de L-arginina para

todas as populações. Os efeitos benéficos são mais encontrados em indivíduos com algum comprometimento no sistema cardiovascular e/ou algumas doenças endócrino-metabólicas

crónicas, como a disfunção endotelial28. Além disso, a diversidade das populações estudadas, assim como a diferença entre as intervenções tanto nas dosagens

e tempo de intervenção, quanto na qualidade do controle dos testes clínicos, comprometem conclusões mais precisas. 

 

Com relação às DCV, a suplementação com Larginina promove efeitos benéficos tanto na reatividade vascular quanto nos valores de pressão arterial. No estudo

de Adams e colaboradores26, dez homens com 41±2 anos de idade, com histórico de doença arterial coronariana, foram submetidos a 3 dias de suplementação

de L-arginina (7g, três vezes ao dia) e obtiveram melhora significativa na dilatação dependente do endotélio e redução das células de monócitos endoteliais,

comparado com o grupo placebo, promovendo significativa redução no processo de aterosclerose nesses pacientes. Um estudo que avaliou pacientes hipertensos

de ambos os sexos, mostrou que a suplementação aguda com 6g L-arginina melhorou a dilatação dependente do endotélio da artéria braquial29. Em outro estudo,

a suplementação oral de L-arginina, com 6g diárias por quatro semanas, melhorou a classe da angina, diminuiu a pressão arterial sistólica e aumentou o

fluxo sanguíneo local no antebraço em pacientes hipertensos de meia idade30 . Recentemente, em pacientes com doença arterial coronariana que foram submetidos

à suplementação de L-arginina, 12,8g diários por 6 meses, observou-se melhora na sensibilidade à insulina e tolerância à glicose, bem como melhora na função

endotelial nesses pacientes12. Resultados semelhantes foram encontrados em indivíduos idosos saudáveis acima de 70 anos que avaliaram a resposta dilatadora

dependente do endotélio. Neste estudo, os autores mostraram que a suplementação de 8g diários de L-arginina por 14 dias, além de melhorar a dilatação mediada

pelo fluxo da artéria braquial, normalizou a razão entre L-arginina/ADMA, que estava anormal nesses indivíduos31 . Por outro lado, alguns estudos falharam

em mostrar qualquer alteração nos parâmetros cardiovasculares em resposta à suplementação com L-arginina. Um estudo que avaliou homens com angina estável

mostrou que a suplementação com L-arginina, 15g diários durante duas semanas, não foi capaz de promover melhora na resposta vasodilatadora dependente do

endotélio, no stress oxidativo ou desempenho ao exercício32. A falta de benefícios da suplementação com L-arginina também foi observada em pacientes com

doença arterial coronariana, que tomaram 6g de L-arginina por dia, durante três dias. Este estudo mostrou que a suplementação não promoveu qualquer alteração

nas ondas eletrocardiográficas durante um teste de esforço33. Um estudo recente mostrou que a suplementação de L-arginina, 9g diários por 4 dias, não promoveu

alteração na dilatação derivada do endotélio em pacientes com doença arterial coronariana comparado com o grupo placebo34. Além disso, um estudo de meta-análise

envolvendo ensaios clínicos mostrou que a suplementação com L-arginina não melhorava o prognóstico de pacientes com enfarte agudo do miocárdio35 . 

 

Com relação às doenças endócrino-metabólicas, a maioria dos estudos mostra que os efeitos benéficos estão diretamente relacionados com a melhoria na resistência

à insulina e redução dos níveis circulantes de moléculas de colesterol tanto em pacientes, como em indivíduos saudáveis. Um estudo que avaliou a suplementação

de 9g de L-arginina durante três meses em pacientes diabéticos tipo 2 mostrou aumento na concentração plasmática de L-arginina e GMPc, com melhoria da

resistência à insulina, resultando em aumento significativo da sensibilidade à insulina periférica e hepática36. Um estudo que avaliou a suplementação

de L-arginina, 8,4g diários por 2 semanas, em pacientes adultos com hipercolesterolemia mostrou redução da agregação plaquetária37. De maneira similar,

em indivíduos jovens com hipercolesterolemia e submetidos a suplementação com L-arginina, 28g diários durante quatro semanas, melhorou a resposta vasodilatadora

derivada do endotélio em indivíduos hipercolesterolêmicos, demonstrando que mesmo em indivíduos jovens, essa suplementação parece aumentar a biodisponibilidade

do NO e produzir efeitos benéficos38 . 

 

Num estudo envolvendo sujeitos saudáveis, a administração de L-arginina pelo período de um mês aumentou a produção de NO e diminuiu a adesão de monócitos

nas células endoteliais em mulheres após a menopausa39. Avaliando a adição de L-arginina a uma refeição rica em gordura, observou-se diminuição da lipidemia

pós-prandial, demonstrando o efeito protetor contra o desenvolvimento de aterosclerose, e consequentemente, menor risco cardiovascular com a suplementação

deste aminoácido40,41. Um estudo que avaliou idosos saudáveis mostrou que a suplementação de L-arginina, 17g diários por 2 semanas, diminuiu o colesterol

total e proporcionou redução do colesterol LDL, sugerindo que a suplementação deste aminoácido pode ser usada para a diminuição ou proteção contra a aterosclerose42

 

Por outro lado, resultados contrários foram encontrados em alguns estudos, em que a suplementação de L-arginina, 20g diários durante 28 dias, não promoveu

qualquer alteração na resposta dilatadora endotelial em indivíduos jovens43. Recentemente, foi observado que a suplementação de L-arginina, 3g diários

por seis semanas, não promoveu qualquer alteração nas concentrações de triglicerídeos séricos em indivíduos com hipertrigliceridemia. Resultados benéficos

para esses indivíduos foram encontrados apenas quando 20mg diários de sinvastatina, um redutor do colesterol, foram adicionados a essa suplementação, reduzindo

significativamente os níveis de triglicerídeos séricos comparados com o placebo44 . 

 

Apesar desses resultados controversos parece que a suplementação de L-arginina pode proporcionar efeitos benéficos principalmente na redução da dislipidemia,

na proteção contra o processo de aterosclerose, aumento de fluxo sanguíneo, melhora na função endotelial e até mesmo melhora na resistência à insulina

e stress oxidativo. Esses resultados são encontrados principalmente quando os pacientes já apresentam doençascardiovascularesouendócrino-metabólica6,e

servem como terapia complementar ou adicional aos tratamentos específicos que dão enfoque na melhora da função vascular relacionada à produção e ação do

NO e diminuição do processo de aterosclerose. 

 

Principais efeitos da suplementação de l-arginina associada ao exercício físico 

 

O exercício físico é uma atividade realizada com repetições sistemáticas de movimentos orientados, com consequente aumento no consumo de oxigênio devido

à solicitação muscular. O exercício físico provoca uma série de respostas fisiológicas principalmente nos sistemas cardiovascular e endócrino-metabólico,

com o objetivo de manter o equilíbrio celular em face ao aumento das necessidades metabólicas e do consumo de energia45. Sabese que o exercício físico

aeróbio de moderada intensidade, realizado continuamente, promove efeitos benéficos tanto na prevenção quanto no tratamento das doenças crónico-degenerativas,

e sua prática regular tem sido recomendada na área de saúde. Seus benefícios também têm sido demonstrados na prevenção e no tratamento da hipertensão arterial,

diabetes mellitus, dislipidemia, e obesidade5. Sendo assim, o baixo nível de atividade física ou de condicionamento físico é considerado fator de risco

para o desenvolvimento dessas doenças. Os efeitos benéficos do exercício físico tem sido relacionados ao aumento na produção de substâncias vasoativas,

como o NO, e/ou ao aumento de sua disponibilidade para as células-alvo24,25. Sabe-se que o exercício físico aumenta o fluxo sanguíneo pulsátil e a pressão

que o sangue exerce sobre a parede vascular, e a força de cisalhamento sob as células endoteliais são estímulos poderosos para a geração de NO nos diferentes

sistemas do organismo. Assim, os efeitos benéficos do exercício físico regular estão estreitamente relacionados com a sua capacidade de estimular a síntese

de NO pelas células endoteliais, aumentar a expressão e a tividade das enzimas antioxidantes e reduzir o stress oxidativo46. Estas alterações estão diretamente

relacionadas aos mecanismos etiopatogênicos das DCV e doenças endócrino-metabólicas. 

 

Poucos estudos avaliaram os efeitos da intervenção conjunta entre o exercício físico e a suplementação de L-arginina nas DCV e doenças endócrino-metabólicas.

A maioria dos trabalhos existentes mostra que a combinação entre o treinamento de exercícios físicos e a suplementação de L-arginina não promovem maiores

benefícios do que a suplementação ou o treinamento sozinho tanto em pacientes com DCV10, como com doenças endócrino-metabólicas47 . 

 

Por outro lado, estudos avaliando pacientes com insuficiência cardíaca crónica mostram que a suplementação com L-arginina melhora a tolerância ao exercício48,49.

Assim, os autores sugerem que a suplementação crónica de L-arginina em pacientes com insuficiência cardíaca pode ser utilizada para melhorar o desempenho

nas atividades de vida diária desses indivíduos. esta relação entre a suplementação de L-arginina e maior tolerância ao exercício já havia sido demonstrada

por outros estudos também em indivíduos saudáveis e atletas50. Além disso, em outro estudo realizado com mulheres saudáveis após a menopausa, foi observado

que a suplementação de 14,2 g de L-arginina diários por um período de 6 meses promoveu um aumento da força muscular máxima e potência, sugerindo que a

suplementação pode potenciar os efeitos benéficos causados pelo exercício físico em mulheres após a menopausa51 . 

 

Efeitos adversos da suplementação 

 

Poucos estudos focaram os efeitos adversos da suplementação da L-Arginina, principalmente estudos longitudinais. As maiores dosagens estudadas foram por

volta de 42g/dia e a maior duração da intervenção foi de cerca de 6 meses, com um estudo acompanhando essa intervenção por até 3 anos em pacientes transplantados

de rins52. Porém, não há um padrão determinando dose-resposta que possibilite menor ou maior efeitos adversos. 

 

O excesso de L-arginina está ligado a riscos principalmente quando há uma infusão deste aminoácido, levando a uma superprodução de NO e consequente vasodilatação

e hipotensão arterial, além do potencial destrutivo nas células em altas concentrações. Por isso a infusão de altas doses parece necessitar de mais cuidados

do que a suplementação53,54. 

 

Dentre os principais efeitos adversos da suplementação oral de L-arginina citados por alguns trabalhos, há a ocorrência de desconforto gastro-intestinal,

náuseas e diarreia54. Porém a maioria dos ensaios clínicos controlados não reportam efeitos adversos e que comprometam a saúde dos indivíduos estudados. 

 

Apesar da escassez de estudos que foquem especificamente as doses de suplementação e sua relação com efeitos adversos, a suplementação de L-arginina aguda,

e crónica, parece ser segura e parece não provocar efeitos colaterais relevantes, que possam comprometer a saúde tanto de indivíduos saudáveis como de

indivíduos com doenças cardiovasculares. No entanto são necessários mais estudos para verificar os efeitos adversos desta terapia a longo prazo em diferentes

populações.   

 

Conclusões 

 

Diversas abordagens têm sido empregadas na prevençãoe/ou tratamento das DCV e endócrinometabólicas, entre elas, a mudança de estilo de vida e a educação

alimentar figuram entre as mais importantes na promoção da saúde. A suplementação alimentar com L-arginina e o exercício físico têm sido grandemente estudados

na abordagem não farmacológica dessas doenças. Os estudos mostram que os benefícios obtidos pela suplementação com L-arginina e/ou exercício físico estão

diretamente relacionados como aumento da produção/liberação do NO, bem como sua maior biodisponibilidade, prevenindo e/ou reduzindo o desenvolvimento das

DCV e das doenças endócrino-metabólicas. 

 

A maior biodisponibilidade do NO promove redução do tônus vascular, inibição da agregação plaquetária e regulação das espécies reativas de oxigênio, impedindo

os efeitos deletérios destes nas diferentes células do organismo. A L-arginina promove ainda estimulação da secreção de insulina, hormona do crescimento

e redução da atividade da enzima conversora de angiotensina. Por outro lado, os poucos estudos existentes associando a suplementação oral de L-arginina

com o exercício físico mostram que não há efeito sinérgico. Assim, pode-se concluir que apesar da maioria dos estudos apresentarem resultados favoráveis

ao uso da suplementação este aminoácido como forma terapêutica, os resultados encontrados na literatura ainda não possibilitam conclusões mais precisas

sobre a dosagem ou tempo de intervenção terapêutica. Isso se deve principalmente devido à falta de padronização e grande diversidades nas intervenções

com a suplementação oral de L-arginina para cada população.

Agora, fale com o Professor de Educação Física Carlos Henrique, da loja POWER SUPLEMENTOS e, solicite a sua suplementação do dia a dia.

Venha até a POWER SUPLEMENTOS ou, basta ligar, entrar no face, ou se quiser, pode solicitar a sua Entrega onde você estiver, pois a power suplementos facilita tudo isto para você!

tudo o que você precisa, como por exemplo: 1- Termogênico. 2- BCAA. 3-  Hiper calórico. 4- Cafeína. 5- Pré treino. 6- Proteína. 7- Energético. 8 Albumina.

9- ZMA. 10- caseína. 11- Malto. 12- pack: Pacotinho com várias capsulas, fazendo a combinação para uma boa atividade física. 13- Garrafinhas, para tomar

a sua água e BCAA.

Falar com Carlos Henrique, e solicite a sua entrega onde você estiver, ou venha buscar na POWER SUPLEMENTOS. Telefone: 99247 12 26 Para promoções e combos: Grupo do watssap: 99247 12 26. Poderá comprar e parcelar no seu cartão de crédito, no no débito em conta, ou no dinheiro.

POWER SUPLEMENTOS: Rua 16, com  Avenida Caúla, bairro Flodoaldo Pontes Pinto.

Fonte: Assessoria

Imprimir Página

Enviar comentário

Comentários Facebook

 

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

ACESSIBILIDADE: Rondônia FM Cidadania

Eventos

  • Abertura da Olímpiada Rio 2016

  • Linha de cosméticos a base de óleos essenciais foi lançada na noite de ontem (1º) em Salvador

  • Ensaio Fotográfico de Renata Borba

  • Reunião do PSC em Porto Velho

  • 1º Encontro Arjore de Comunicação


Este site não se responsabiliza pelo conteúdo de terceiros citados aqui. A opinião dos colaboradores e dos leitores não necessariamente representa a opinião do Notícia na Hora. Os direitos de veiculação de artigos aqui publicados pertencem aos seus respectivos autores e nossos colaboradores.
A divulgação é permitida desde que citados os créditos.