THE CROWN | Membros do Parlamento estudam possibilidade do Governo Britânico regular a distribuição da série

Segundo o Daily Mirror, existe uma grande pressão para que a produção de "The Crown" passe a ser regulada pelo governo britânico.

Segundo o jornal Daily Mirror, os ministros do parlamento do Reino Unido estão enfrentando grande pressão para que coloquem The Crown sobre o controle dos reguladores britânicos.

Na Europa, a sede da Netflix fica em Amsterdam, e por isso, é distribuída seguindo os padrões e regras impostas pelos reguladores holandeses, que já afirmaram que tem pouco poder para aplicar sanções sobre a gigante do streaming. O parlamentar conservador Tom Hunt comentou sobre o assunto: “Precisamos de um cão de guarda britânico com dentes de verdade, não um holandês banguela”.

A pressão para que o Governo Britânico regule a distribuição da série aumentou ainda mais na última semana, quando foi revelado que Madeleine de Cock Buning, uma das chefes da reguladora holandesa, assumiu um cargo de poder dentro da própria Netflix, se tornando vice-presidente de políticas públicas da empresa. Sir. Alistair Granham, ex-presidente do comitê dos padrões da vida pública dos Comuns. comentou sobre o assunto: “Eu acredito que é inapropriado um ex-regulador de mídia ir trabalhar em uma companhia como a Netflix após um período tão curto de tempo”.

Na mesma época, o governo britânico já afirmou que irá revisar a regulamentação dos operadores de streaming, após denuncias de que a série The Crown manchou a reputação da família real com cenas fictícias.

CONFIRA Também:
THE CROWN | Ator condena “alerta de ficção” e é criticado por membros do Parlamento britânico

Além disso, muitos espectadores do Reino Unido que desejavam fazer uma reclamação sobre o programa eram informados que as regras e regulamentos estavam disponíveis apenas em holandês, e que o regulador rejeita muitas reclamações porque geralmente “não tem competências de supervisão e fiscalização” sobre o conteúdo da série.

O secretário de cultura do Reino Unido, Oliver Dowden, já pediu à Netflix para exibir um alerta de ficção no início dos episódios do drama, avisando aos telespectadores que a trama é vagamente baseada em eventos reais. A solicitação, entretanto, foi negada pela produção da série e pela Netflix.

Boa parte das polêmicas envolvendo a série se deram após a o lançamento da 4ª temporada, que tem exercido influência direta sobre como as pessoas enxergam as personalidades da família real britânica.

Sobre a 4ª temporada de The Crown

4 Temporada de the Crown

Por se tratar de assuntos mais recentes que os das demais temporadas, que abordaram os acontecimentos dos anos 40 aos 70, a série têm exercido influência direta na popularidade da Família Real.  Omid Scobie, escritor e co-autor da biografia Finding Freedom (Procurando Liberdade), de Megan Markle, disse na última semana: “Existem preocupações reais vindas do palácio, que as pessoas que assistiram a 4ª temporada de The Crown levem tudo ao pé da letra. O Príncipe Charles e Camila são um casal que gastaram décadas tentando reparar suas imagens, e no exato momento em que estão ganhando popularidade no Reino Unido, aparece esse grande risco”.

Além do pedido de alerta, os ataques e críticas feito pelo público ao Principe Charles e Camila Parker-Bowles levaram o casal à desativar as respostas do twitter oficial, também na última semana. O próprio Príncipe William, terceiro na linha de sucessão ao trono britânico, saiu em defesa dos pais (Charles e Diana), alegando que a Netflix estaria transformando a imagens deles “por dinheiro“.

Na temporada, continuam no elenco os atores Olivia Colman (Rainha Elizabeth), Josh O’Connor (Príncipe Charles), Helena Bonham Carter (Princesa Margaret), Tobias Menzes (Príncipe Phillip), Emerald Fennell (Camila Bowles-Parker) e Erin Doherty (Princesa Anne). Dessa vez, juntam-se à eles as atrizes Ema Corrin (Princesa Diana) e Gillian Anderson (Margaret Thatcher).

Os dez novos episódios da série a colocaram nos rankings de drama mais populares da última semana, como pode ser conferido aqui. Todos eles estão disponíveis na Netflix.

Arquiteto e Urbanista aficionado por Cenografia e Cinema. Administrador do Sobre Sagas desde 2013 e apaixonado por adaptações cinematográficas, especialmente de fantasia.

Deixe seu comentário